Casa Ubiracica

Ubiracica 3.JPGUbiracica 14.jpgubiracica02.jpgUbiracica 4.JPGUbiracica varanda dim.jpgCASAUBIRACICA_I_EXTERNA4.jpgCASAUBIRACICA_I_EXTERNA1.jpgCASAUBIRACICA_I_INTERNA5.jpgubiracica11.jpgUbiracica 1.JPG
Casa Ubiracica

Não há, no desenho desta residência para o bairro paulistano de City Boaçava, à exceção das escadas metálicas e da lareira alentejana com piso de pedras negras, um só traço que escape da ortogonalidade pura e simples. Mesmo as coberturas dos volumes são planas e transformadas em espelhos-d’água termoisolantes habitados por carpas. Essa austeridade antiformalista, sem dúvida tributária de alguns aspectos marcantes da chamada escola paulista de arquitetura, em cujo rigor disciplinar se formam os autores, é entretanto matizada de modo muito particular por irrupções de lirismo e evocações vernaculares.(...)


(...)O programa se organiza segundo blocos funcionais volumetricamente diferenciados e funcionalmente demarcados quanto à natureza dos seus usos, tendo em vista um gradiente público/privado sem lacunas: estar e biblioteca sociais, escritório e sala de jantar intermediários, dormitórios, cozinha e convívio íntimos. Desde a frente até os fundos, o itinerário começa por uma vitrine junto ao acesso principal da casa. Trata-se de um viveiro de pássaros que prenuncia outros ingredientes vernaculares incorporados mais além. O volume laminar intercepta lateralmente o volume compacto do salão de estar de pé-direito duplo, transformando-se internamente em jirau-passarela, junto ao qual se acomoda, em dois níveis superpostos, a biblioteca, enquanto o percurso prossegue rumo aos quartos. Antes disso, ao passar sobre o escritório, ganha ares de galeria envidraçada, espécie de hiato entre os blocos da frente e dos fundos, dando para um pátio interno por onde se alcançam as coberturas desfrutáveis. Em pleno território da intimidade doméstica, o eixo de circulação se materializa como corredor avarandado, completando, do quarto de hóspedes à suíte dos proprietários, o roteiro dessa interiorização progressiva.  


Se no piso superior o eixo tudo subordina, no piso inferior e nas áreas externas ajardinadas os espaços se comunicam de maneira fluida, através de uma integração visual controlada por sutis deslocamentos, pausas, diferenciações no tratamento das superfícies e aberturas, sempre no sentido de uma acomodação empírica do vivenciado, de uma individualização dos ambientes que rechaça o continuum espacial isotrópico dos racionalismos mais dogmáticos. 


CALDEIRA, Vasco – Casa Ubiracica.


In: CALDEIRA, Vasco; FANUCCI, Francisco; FERRAZ, Marcelo; SANTOS, Cecilia Rodrigues dos – Francisco Fanucci, Marcelo Ferraz: Brasil Arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

Ficha técnica

Autores
Francisco Fanucci e Marcelo Ferraz

Colaboradores
Anderson Freitas e Fabio Mosaner

Área
300 m2

Local
São Paulo, SP

Publicações
Francisco Fanucci, Marcelo Ferraz: Brasil Arquitetura

Francisco Fanucci, Marcelo Ferraz: Brasil Arquitetura
são paulo, sp, 2005
cosac naify
link

Larchitecture Daujourdhui

Larchitecture Daujourdhui
1999
Textures vernaculaires pour une demeure urbaine
Casa Ubiracica
Página 109-111

Monolito

Monolito
2013
Marcelo Ferraz - Casa Ubiracica (1996-1997) - São Paulo
Casa Ubiracica
Página 8-9 e 108-115
link

Reforma fácil acabamento
2001
Use e abuse da cor
Casa Aldeia da Serra e Casa Ubiracica
Página 36-43

Bamboo
2012
Brasil, mostra a sua cara
Casa Ubiracica
Página 144-149

AU
1999
Casa Ubiracica
Casa Ubiracica
Página 55-61

Casa e Jardim
2004
Concreto no oásis
Casa Ubiracica
Página 64-73

Construir
2010
Família Ferraz
Casa Ubiracica
Página 40-41

Arte e Decoração
1998
Histórias do Brasil
Casa Ubiracica
Página 32-41

Espaço D
1999
Liberdade experimental
Casa Ubiracica
Página 60-65

Viver Bem
2000
Simplicidade planejada
Casa Ubiracica
Página 52-57

Projeto Design
1998
Volumes articulados e materiais rústicos definem projeto com inspiração em [...]
Casa Ubiracica
Página 64-67