Concurso Centro Cultural Tacaruna

TACARUNA_F_edificioexistente.jpgTACARUNA_F_edificioexistenteinterna.jpgfoto existente 2.jpgTACARUNA_I_croquigeral.jpgmaquete 2.jpgmaquete 3.jpgTACARUNA_I_croquiluznatural02.jpgcroquis chico.jpg
Concurso Centro Cultural Tacaruna

Localizada a meio caminho entre as cidades de Recife e Olinda, as instalações da indústria Tacaruna, desde a sua inauguração em 1896, constituem um marco na transformação industrial do Nordeste açucareiro, às vésperas da Republica.


O edifício impressiona pelo porte, pela regularidade das aberturas - sucessão de janelas coloniais de verga curva - e pela falta de simetria de seus três corpos bem definidos. Abandonado pelas máquinas, o prédio com seus anexos e sua área de entorno foram objeto de um concurso de idéias para que, revitalizados como partes de um conjunto, pudessem abrigar equipamentos de uso público voltados ao lazer e à cultura, além de um centro de convenções e um centro comercial.


A fábrica define um dos lados de uma grande praça /esplanada, liberada com a demolição de anexos e galpões, ligando-se através de uma marquise coberta de concreto ao segundo edifício do conjunto, o contraponto contemporâneo do conjunto que delimita o outro lado da grande praça. O elemento mais marcante do novo edifício é um muro de 13 m de altura e 200 m de comprimento, interrompido na sua extensão apenas para abraçar uma pequena chaminé remanescente do conjunto industrial e receber a marquise. Construído em concreto ciclópico bruto, irregular, ele é cultivado nas suas reentrâncias, recebendo musgos, samambaias, orquídeas. Delimitando a grande esplanada foram locados ainda uma concha acústica, ao Norte, e um bloco vertical para abrigar o hotel, ao Sul.


No seu interior a praça mantém área de mangue e massas de arvoredos pré-existentes. Entre a vegetação variada e contrastante, estão dois importantes marcos culturais do conjunto: o Memorial de Integração das Artes - composição com 30 paus-mastro, cada um pintado por um artista brasileiro, representando a tradição das festas populares nordestinas e brasileiras – e a Árvore Resistente, grande figueira entranhada ao muro de um dos galpões destruído, mantida agarrada a 6m de muro como um símbolo da integração, forte e simbiótica, do homem cultural com sua paisagem. 


SANTOS, Cecília Rodrigues dos – Centro Cultural Tacaruna.


In: CALDEIRA, Vasco; FANUCCI, Francisco; FERRAZ, Marcelo; SANTOS, Cecilia Rodrigues dos – Francisco Fanucci, Marcelo Ferraz: Brasil Arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2005.


Ficha técnica

Autores
Francisco Fanucci e Marcelo Ferraz

Colaboradores
Albert Sugai, Anderson Freitas, Bruno Levy, Cícero Cruz, Gabriel Grinspum, Giancarlo Latorraca e Pedro Barros

Área
15500 m2

Local
Recife, PE

Ver Grande
Publicações
Francisco Fanucci, Marcelo Ferraz: Brasil Arquitetura

Francisco Fanucci, Marcelo Ferraz: Brasil Arquitetura
são paulo, sp, 2005
cosac naify
link