Centro de Interpretação do Pampa

croqui 03 cor.jpgbaixa_PA_3D_03_C5.jpgbaixa_PA_3D_03_C6.jpgbaixa_PA_3D_03_C3.jpgbaixa_PA_3D_03_C8.jpgpa_3d_expo_c2_03B.jpgpa_3d_audit_c1_03.jpgcroqui 01cor.jpgcroqui 2 cor.jpg
Centro de Interpretação do Pampa

O tema central do Museu do Pampa é a singularidade da paisagem física e humana do que se chama Pampa, no quadro da experiência brasileira. Trata-se de um Museu Vivo no qual os visitantes poderão vivenciar a especificidade e a riqueza da natureza, da cultura e da história irrepetível da região. 


O objetivo maior é fazer com que as pessoas mergulhem no universo do Pampa, através da vivência de experiências afetivas e intelectuais relacionadas aos diferentes âmbitos da vida e da cultura daqui. Que se surpreendam e descubram aspectos da região - bem como da sua importância para a formação do país em que vivem - nos quais nunca haviam pensado antes. Que se espantem ao descobrir que o Pampa tem tantos aspectos ocultos. 


O alvo são mulheres e homens de todas as idades, oriundos da região ou provenientes de todas as partes e faixas sociais do Brasil. Deseja-se que, no Museu, esse público tenha acesso a novos conhecimentos e reflexões de maneira intensa e prazerosa. E que ele se transforme num espaço de convivência para as pessoas do lugar e numa referência regional e nacional. Espera-se que as pessoas venham a Jaguarão para viver essa experiência nova. 


Mas o que pode levar as pessoas a viverem essa experiência – ou seja, a tomarem consciência dessa cultura irrepetível? O Museu organiza um vasto conjunto de informações a partir de alguns eixos centrais. 


O primeiro deles é a singularidade da paisagem natural do Pampa, com seus ecossistemas. Lugar no qual, sob aparente homogeneidade, encontra-se uma rica e diversa vida pulsante, que deve ser conhecida, valorizada e defendida. 


O segundo eixo é a antiguidade da ocupação da região, habitada sucessivamente por povos e culturas desde a pré-história. 


O terceiro aspecto destacado aqui é a mestiçagem genética e simbólica única que se deu no Pampa – uma mistura singular de povos indígenas, ibéricos e africanos que gerou o gaúcho -, e a produção cultural específica que essa mistura propiciou. A língua falada, a música, a literatura, a mitologia, a arquitetura, os costumes, a culinária, a vestimenta são, aqui, tão misturados quanto a cor da pele das pessoas. Tal aventura humana, marcada pelos encontros e desencontros de povos e signos, por convergências e conflitos, por contradições e desigualdades, continua se fazendo. 


O quarto eixo é a questão da fronteira e a constituição de uma identidade, ao mesmo tempo singular e nacional. A região foi cenário de guerras e lutas que, de certa forma, desenharam os limites do território brasileiro, com suas dimensões continentais. Lugar de heroísmo e luta pela nacionalidade. Mas, também, uma experiência, avant la lettre, de integração, que antecipou em séculos o Mercosul.


Ficha técnica

Autores
Francisco Fanucci, Marcelo Ferraz, Vinícius Spira e Gabriel Grinspum

Colaboradores
Anne Dieterich, Anselmo Turazzi, Cícero Ferraz Cruz, Fabiana Fernandes Paiva, Luciana Dornellas, Pedro Del Guerra, Victor Gurgel, Beatriz Marques, Felipe Zene, Gabriel Mendonça, Cheila Ferreira Garcia e Fernanda Macedo Petry Freitas

Área
1880 m2

Local
Jaguarão, RS

Ver Grande